São cravos, senhora!

Uma das tradições (recentes) mais bonitas das comemorações do 25 de Abril é a chuva de cravos em Lisboa, inicialmente no Largo de Camões e ontem no Terreiro do Paço. As fotos da Clara Azevedo (salvo indicação em contrário), via Twitter do Paulo Vaz Henriques (obrigado pelo alerta, Pedro, que também filmou o vídeo final, no ano passado), falam por si.

BmGsAOhIgAEQgXE
BmGr3hqIUAAveoM
BmJVFOpIgAAUxyD
BmJVfKEIIAAMIvd
10154408_864067536943182_957882585864518239_n

#chuvadecravos #itsrainingcarnations

A post shared by joaomourao (@joaofelixmourao) on

Chuva de cravos * Raining flowers * 25 de abril * April, 25th

A post shared by Barbara Baldaia (@bbaldaia) on

BmEkAyoIQAANcFO

EDIT: Mais fotos da Clara Azevedo no Público.

(Um certo comandante da esquadra 751 teria um enorme orgulho nisto.)

Salgueiro Maia (1944-1992)

A revolução de 25 de Abril de 1974 ficou conhecida por ter sido uma revolução “pacífica”, sem derramamento de sangue, apesar de levada a cabo por militares. Serviu, por isso, de inspiração e “modelo” a diversos movimentos revolucionários por essa Europa (e mundo) fora, nos anos que se seguiram àquela histórica madrugada de há quase quarenta anos. Se assim foi, muito se deveu à calma, discernimento, independência política e frieza operacional de um dos seus principais “comandantes”, o capitão Salgueiro Maia.

Aqui fica a nossa homenagem, nos 20 anos da sua (prematura) morte.