Os segredos no armário de Neil Armstrong

Neil maroto

Neil Armstrong viveu 43 anos depois de se tornar no primeiro ser humano a pisar a Lua. Morreu em 2012, e só nessa altura a sua mulher descobriu um pequeno tesouro que manteve guardado ao longo dessas mais de quatro décadas: uma máquina fotográfica Hasselblad e algumas fotos tiradas na mítica viagem interplanetária. Os objectos contidos no pequeno saco que, subrepticiamente, Neil trouxe de volta para a Terra (e que se encontrava destinado a arder aquando da reentrada do módulo lunar na atmosfera terrestre) encontram-se hoje em exposição no museu da NASA.

Mais informações sobre as 12 câmaras Hasselblad utilizadas (e deixadas) na Lua pela missão Apollo XI… aqui.

Anúncios

Isto já foi uma cidade

10171709_798070740226306_7589809244267121513_n

Faz lembrar imagens da Hiroshima de 1945, mas não: é a cidade de Homs, na Síria, fotografada esta semana pela objectiva de Roozbeh Kaboly, da televisão holandesa (@rzbh no Twitter, onde podem ser vistas mais fotos e acompanhado o relato da evacuação dos rebeldes que fizeram desta cidade a “capital” da revolução).

/via página da Euronews no Google+.

Fotografar Sempre (RIP Bernardo Sassetti)

Sassetti fotografa desde “sempre”, “sistematicamente, com máquinas “compradas com o pouco dinheiro que juntava”. “As primeiras eram automáticas mas depois o meu pai ensinou-me a operar com uma reflex. Tinha um conhecimento grande de fotografia e foi o responsável pelo interesse que hoje tenho por ela. Ensinou-me a olhar para as coisas com tempo, a ir à procura de imagens, da luz correcta. Fotografei sempre em filme e só recentemente comecei a utilizar o digital, um pouco por causa deste projecto e pela necessidade de captar grandes sequências com disparos contínuos. Seria quase impossível fazê-lo com tecnologia analógica.” O próximo desafio é aproximar-se das pessoas: “Estou a preparar um projecto que envolve olhar mais para os outros. Até aqui foi para mim difícil fotografar pessoas. Demoro tanto tempo a fazer as coisas, de forma tão intensa, que é difícil pedir a alguém que tenha paciência para me aturar. Claro que faço retratos de família, e sobretudo autoretratos, mas para mim foi sempre difícil fotografar pessoas na rua, pessoas que não conheço.” (in Público/Ípsilon, 25.03.2010)

 

JR na Coreia do Norte

Juntamente com Ai Wei Wei e Os Gêmeos, JR_artist é um dos meus artistas plásticos contemporâneos preferidos. Já falámos dele aqui no Café a propósito do TED Prize, que venceu em 2011 (ver vídeo abaixo).

Este mês, JR fez uma incursão à Coreia do Norte, onde fotografou o dia-a-dia de cidades como Pyongyang. O resultado pode ser visto no seu feed do Instagram.

Entrevista com JR aquando da atribuição do TED Prize:

A “gente das nuvens”

Através da sua objectiva, o fotógrafo norte-americano Matt Black leva-nos ao outro lado da emigração: o lado das aldeias desertas, das comunidades envelhecidas, dos povos ancestrais sem futuro.

As fabulosas fotografias do projecto People of Clouds podem ser vistas no sempre recomendado The Big Picture. O projecto pode ainda ser seguido no Facebook e financiado no Kickstarter. Outros projectos do fotógrafo podem ser encontrados no seu site.

Tim Hetherington (1970-2011)

O fotógrafo de guerra e realizador britânico Tim Hetherington já era famoso por ter ganho o World Press Photo em 2007 com a foto de um soldado norte-americano no Afeganistão. A sua fama cresceu com a nomeação de Restrepo, o seu documentário sobre a vida de um pelotão americano naquele país asiático, para o Óscar de melhor documentário (filme também premiado no Festival Sundance de 2010). Cobriu ainda conflitos como o da Libéria ou o do Darfur.

Prémio World Press Photo 2007, Tim Hetherington

Tim fotografava com a Canon EOS 5D, carregando consigo dois corpos pois preferia as lentes de distância focal fixa. Referia-se a elas e à câmara de vídeo que também transportava consigo como a sua “armadura pessoal”. Hoje a “armadura” não foi suficiente para o proteger de um RPG disparado pelas forças leais a Kadafi, que o matou enquanto acompanhava os rebeldes na cidade de Misurata. Consigo morreu ainda o fotógrafo americano da Getty Images, Chris Hondros (as suas últimas imagens podem ser vistas aqui).

O último tweet na conta @TimHetherington não prognosticava nada de bom:

http://twitter.com/#!/TimHetherington/status/60293090983940096

A crueza e humanidade de Restrepo ficam como um tributo a Tim Hetherington: