Portugal contra o cancro

Liderar a investigação mundial em áreas como a do cancro da mama, metastização ou neurociências. Fazer quimioterapia num jardim virado para o rio. Fazer investigação de ponta num edifício de arquitectura moderna e revolucionária. Dividir o tempo entre a investigação e a terapia. Assistir a um concerto num anfiteatro à beira-rio. Ter acesso à mesma biblioteca que o nosso médico. Participar em estudos preliminares de novas drogas e cocktails de quimioterapia. Tudo isto poderia passar-se em Nova Iorque, Londres ou Paris. Mas, desde 5 de Outubro, é (ou será brevemente) realidade em Lisboa: a Fundação Champalimaud escolheu o centenário da República para inaugurar o seu novo – e inovador – Centro de Investigação do Desconhecido.

A extensa entrevista do Público a Raghu Kalluri, director do recém-inaugurado Centro do Cancro da Fundação, merece ser lida.

É caso para ser perverso e perguntar: não deveriam todos os multimilionários morrer de doenças incuráveis?

O teu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: