Os segredos no armário de Neil Armstrong

Neil maroto

Neil Armstrong viveu 43 anos depois de se tornar no primeiro ser humano a pisar a Lua. Morreu em 2012, e só nessa altura a sua mulher descobriu um pequeno tesouro que manteve guardado ao longo dessas mais de quatro décadas: uma máquina fotográfica Hasselblad e algumas fotos tiradas na mítica viagem interplanetária. Os objectos contidos no pequeno saco que, subrepticiamente, Neil trouxe de volta para a Terra (e que se encontrava destinado a arder aquando da reentrada do módulo lunar na atmosfera terrestre) encontram-se hoje em exposição no museu da NASA.

Mais informações sobre as 12 câmaras Hasselblad utilizadas (e deixadas) na Lua pela missão Apollo XI… aqui.

Nous sommes tous Charlie


Posso não gostar das piadas brejeiras do Charlie Hebdo (ao pé deles, o Inimigo Público é o mais elegante dos pasquins), mas defendo como valor supremo a liberdade que lhes permite publicá-las. (Acima, o director do semanário francês – uma das vítimas da barbárie desta manhã – segurando uma das suas polémicas capas, aquando de um anterior atentado contra a sede do jornal, em 2011.)

Isto já foi uma cidade

10171709_798070740226306_7589809244267121513_n

Faz lembrar imagens da Hiroshima de 1945, mas não: é a cidade de Homs, na Síria, fotografada esta semana pela objectiva de Roozbeh Kaboly, da televisão holandesa (@rzbh no Twitter, onde podem ser vistas mais fotos e acompanhado o relato da evacuação dos rebeldes que fizeram desta cidade a “capital” da revolução).

/via página da Euronews no Google+.